NOTÍCIA

Água cara e Coca Cola barata: epidemia de diabetes

Água cara e Coca Cola barata: epidemia de diabetes

As fábricas de refrigerantes extraem bilhões de litros de água em San Juan Chamula, Chiapas, o que tornou a água escassa e cara.

A diabetes está devastando os indígenas de San Juan Chamula e é a terceira causa de morte naquele município de Chiapas, no México. Atualmente, eles bebem grandes quantidades de cola, muito mais barata do que água.

Cola como bebida espiritual

O problema não se deve apenas a uma questão econômica, os índios consumiam um licor denominado “chique” em suas práticas rituais, mas na década de 30 do século passado, para evitar o alcoolismo na etnia Tzotzil, os missionários buscaram alternativas e assim surgiram os consumo de refrigerante.

O 'posh' é um destilado de milho e cana-de-açúcar com piloncillo (panela) que é feito à mão nas casas de San Juan Chamula e San Cristóbal de las Casas, em Chiapas.

Sua bebida ritual deixou de ser sua conexão com o mundo espiritual, para oferecê-la ao demônio, enquanto nos altares a cola era usada como uma bebida celestial.

Atualmente, a cola ainda está presente em alguns altares de igrejas e infelizmente já se vêem as consequências na saúde dos habitantes da zona de Los Altos de Chiapas, uma das mais pobres do país, com elevados índices de desnutrição e que ocupa o primeiro lugar no país em consumo de refrigerantes de cola.

Água cara e poluída

Somado às questões de mudança de hábitos religiosos, os indígenas bebem menos água porque é escassa e contaminada e é mais barato comprar um refrigerante do que uma garrafa de água.

A nutricionista Mercedes Bermúdez López avisa que “Chiapas é um dos estados que conseguem as primeiras colocações a nível nacional em termos de consumo de refrigerantes e atualmente vemos que os problemas de Chiapas estão mais voltados para as comunidades indígenas”.

“O consumo excessivo de refrigerantes com alto teor de açúcar está levando a doenças crônicas”, o problema é tão grave que há pessoas na casa dos 20 anos que já sofrem com isso. Diabetes ocupa o terceiro lugar nas causas de morte em Chiapas


As cifras

O número de pessoas que adoecem é de 46,4 por 100 mil e a mortalidade vem aumentando desde 2008, destacou o especialista.

Segundo dados gerenciados por especialistas, na região de Chamula, o consumo per capita de refrigerantes à base de cola equivale a cerca de duas latas por dia de 325 mililitros em média, o dobro dos padrões mexicanos.

Desta forma, podemos constatar que, por um lado, esta região de Chiapas está entre as mais pobres do país com altos índices de desnutrição e ao mesmo tempo é o primeiro lugar no consumo de refrigerantes de cola.

A maioria de seus bairros e comunidades sofre com a falta de água em uma área onde um produtor de refrigerantes instalou uma fábrica da qual extrai pouco mais de um milhão de litros de água todos os dias.

Com informações de:


Vídeo: 15 Coisas que Não Como de Jeito Nenhum (Agosto 2021).