NOTÍCIA

A proibição de sacolas plásticas entrou em vigor

A proibição de sacolas plásticas entrou em vigor

No dia 1º de julho, entraram em vigor as normas que obrigam as empresas a cobrar por sacolas plásticas descartáveis.

Depois de muitos meses discutindo sacolas plásticas, já existe um Decreto Real sobre a mesa que obriga as empresas a cobrar pelas sacolas plásticas descartáveis ​​a partir do domingo, e que exige sua retirada do mercado a partir de 2021.

A legislação também inclui a proibição de sacolas plásticas oxodegradáveis ​​em 2020. Um material que se decompõe em pequenas partículas de plástico em um tempo muito curto; sacos que tendem a ter uma vida útil mais curta do que os sacos de plástico normais.

Apesar desses avanços, a regulamentação permite que as sacolas sejam substituídas por sacolas biodegradáveis, então a proposta continua se aprofundando no modelo descartável. Com este Decreto Real, a extração de recursos naturais não é limitada, mas o problema é transferido de um material para outro.

Além disso, nem todas as sacolas biodegradáveis ​​são feitas de materiais 100% orgânicos, algumas ainda possuem percentuais de plástico de petróleo em sua composição. Por outro lado, as sacolas compostáveis ​​criam problemas se forem parar em fluxos convencionais de reciclagem de plástico, reduzindo a qualidade do plástico reciclado.

Por isso, Amigos da Terra considera que se perdeu a oportunidade de promover a redução real do desperdício, de apostar em alternativas reutilizáveis ​​e duradouras, como sacos de pano, cestos ou carrinhos.

Por sua vez, o órgão ambiental ressalta que a medida chega tarde e enfatiza a necessidade de implementar propostas para reduzir a poluição do plástico de diferentes embalagens e descartáveis, devido à gravidade do problema. As previsões da Fundação Ellen McArthur indicam que, se o modelo de consumo e geração de resíduos plásticos não for alterado, em 2050 haverá mais plástico do que peixe nos oceanos.

“Passamos anos exigindo medidas eficazes para eliminar sacos plásticos descartáveis ​​e outros produtos, como pratos, copos, talheres e alternativas reutilizáveis ​​exigentes. O decreto real sobre as sacolas é um primeiro passo nesse caminho, mas deveria ter sido mais ambicioso ”, diz Alodia Pérez, chefe de Recursos Naturais e Resíduos da Amigos de la Tierra.

Uma vez implementada a medida de redução dos sacos de plástico, é necessário começar a trabalhar noutros produtos, conforme proposto pela União Europeia no projecto de Directiva do plástico de utilização única.

Mais informação:

Alodia Pérez, Chefe de Recursos Naturais e Resíduos da Amigos de la Tierra, 649 420 922

Teresa Rodríguez Pierrard, Gerente de Comunicação da Friends of the Earth, Tlf. 680 936 327, [email protected]a.org


Vídeo: Fim das Sacolas Plásticas - Lei entra em Vigor dia 26 de Junho de 2019 (Agosto 2021).