NOTÍCIA

Seis países europeus pedem à Comissão Europeia que abandone completamente o uso de glifosato

Seis países europeus pedem à Comissão Europeia que abandone completamente o uso de glifosato


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 17 de novembro, a Europa aprovou 5 anos de uso do herbicida glifosato. Esta decisão deixa em aberto a possibilidade de sucessivas renovações de licença no futuro, o que é contrário à decisão anterior do Parlamento Europeu de proibir completamente o uso de glifosato no prazo de 5 anos.

A renovação da licença do glifosato (além das possíveis renovações que podem vir posteriormente) vai expor a população e a natureza europeia a um pesticida que foi classificado como provavelmente cancerígeno pela Organização Mundial de Saúde.

Como se não bastasse, estudos mostram que o herbicida afeta o sistema hormonal, ou seja, é um desregulador endócrino.

O Ministro francês Nicolas Hulot e seus colegas da Bélgica, Luxemburgo, Malta, Eslovênia e Grécia enviaram esta carta em 19 de dezembro ao Comissário da Saúde Vytenis Andriukaitis e ao Vice-Presidente da Comissão, Frans Timmermans.

Na carta, eles expressam o desejo de cumprir a recomendação do Parlamento Europeu e proibir imediatamente certos usos do herbicida. Especificamente, aqueles que representam o maior risco de contaminação de pessoas e do meio ambiente:

- o uso pré-colheita que é feito para secar certas culturas, e que deixa uma grande quantidade de resíduos nos alimentos.
a sua utilização doméstica ou não profissional em pomares e jardins, o que não garante a segurança do utilizador ou de outras pessoas expostas.
- uso em parques públicos e playgrounds onde pode ser exposto a grupos especialmente sensíveis, como meninas, meninos, pessoas com sistema imunológico debilitado ou mulheres grávidas.

Em sua carta, os seis estados também exigiram que o Executivo da União Européia fizesse um estudo para identificar e disponibilizar possíveis alternativas (químicas, mecânicas ou biológicas) para os principais usos agrícolas do glifosato.

Hulot e os outros ministros insistiram ainda que a Comissão cumprisse a promessa de reformar e melhorar a transparência dos processos de aprovação de produtos químicos da UE, que a Comissão fez ao rejeitar o pedido da Iniciativa de Cidadania Europeia, em que mais de um milhão de pessoas pediram a proibição total em uma petição de pesticidas.

Por Graciela Vizcay Gomez


Vídeo: HERBICIDAS GLIFOSATO Y SUS CONSECUENCIAS (Pode 2022).